O Brasil do Século XX

Apesar das transformações ocorridas nas décadas de 20 e 30, quando o descontentamento e a insatisfação favoreceram a ruptura econômica com o passado colonial, é necessário lembrar que o deslocamento de poder mundial para os Estados Unidos representou, para o Brasil uma espécie de troca de dono.

O crescimento econômico nacional após a Segunda Guerra Mundial, não significou benefício para todos. Ao contrário, no Brasil e na América Latina, o endividamento e a adoção de uma política de concentração de renda nos anos 70 para atrair capital estrangeiro, acentuaram as desigualdades regionais e sociais, limitando o poder aquisitivo da população que, ironicamente, provocaram a retração do capital e de investimentos estrangeiros, tendo como conseqüência o aumento da dívida externa na década de 80.  

Os anos 90 revelam um Brasil e a maior parte dos países da América Latina, confusos entre o que seja eleição e o que seja democracia, onde o subdesenvolvimento econômico e político desembocam no cenário do impeachmant de um presidente através da mobilização da imprensa, da opinião pública e do Congresso Nacional, onde a primeira – que comanda a política nacional -, deu cobertura a parlamentares que converteram em votos o sim televisionado.  Entretanto, para não parecer arautos do Apocalipse, resta a certeza de que após cada crise sobrevém um crescimento originado da busca de soluções, de mudanças que forneçam saídas de uma situação inaceitável. 

Além de procurar esboçar as peculiaridades da paisagem sócio-cultural do Brasil e, por conseqüência, da América Latina, a abordagem introdutória e despretensiosa deste documento busca fornecer uma visão global resumida do processo histórico, perseguindo a compreensão da realidade contemporânea que influencia a vida dos brasileiros, confirmando a assertiva de que nem uma sociedade, desde sua formação histórica, pode prescindir do conteúdo mundial. Seja qual for o momento, não há como negar as influências externas.  

A exemplo de outros países latino-americanos, o Brasil também desenvolveu na sua formação o que se pode conceituar como um certo complexo de inferioridade às avessas, marca quase indelével na mentalidade nacional, que sufocou e procrastinou a emergência e a consolidação do país no cenário mundial. Esta afirmativa pode ser comprovada na constante atribuição de maior valor atribuída ao estrangeiro, na conservação de uma estrutura social dicotomizada que teve origem na bazófia de 1822, mantendo a mesma estrutura social do Brasil Colônia e comprometeu a autonomia nacional.  

A fragilidade e o caráter superficial da autodeterminação brasileira, segue desde aquele ano sob o peso da dependência econômica, enraizada na sociedade através do modelo europeu assimilado no passado colonial, graças a cooperação doméstica contínua de uma minoria.

 

Nota: além destas gravuras e mapas, caso exista interesse na aquisição de outros materiais e cópias de documentos, consulte INFORMAÇÕES 


Você está em

RESUMOS HISTÓRICOS - O Brasil do Século XX